ABSCM



Notícias

» Ver todas as notcias

8 dicas prticas para o empreendedor planejar 2017

Em um ano de incerteza econmica, deve-se minimizar ao mximo os riscos do negcio. Levantamento feito pelo IBGE mostrou que, de cada 10 empresas, seis decretam falncia antes de completar cinco anos no mercado So Paulo, novembro de 2016 Estima-se que o Brasil tenha mais de 9 milhes de micro e pequenos negcios, representando 27% do PIB brasileiro, de acordo com levantamento feito pelo SEBRAE. O Pas j formalizou mais de 6 milhes de microempreendedores individuais desde 2008 e, at setembro deste ano, j so mais de 6,4 milhes.

No entanto, a taxa de mortalidade das empresas ainda alta, segundo o levantamento Demografia das Empresas 2014, realizado pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatstica). De cada dez empresas, seis encerram as atividades aps cinco anos.

Alguns motivos justificam o desarranjo, como abrir o prprio negcio sem se planejar, estudar o mercado, prever cenrios e ter uma reserva de capital.

Ricardo Assaf, presidente da ABSCM Associao Brasileira das Sociedades de Microcrdito, d dicas de como o empreendedor deve se organizar desde j para iniciar bem o prximo ano, a comear pela parte mais importante que o planejamento.

1. Como o empreendedor pode se planejar financeiramente para comear com o p direito nos negcios em 2017?

O planejamento fundamental para qualquer fase do negcio. No h exatamente uma fronteira de tempo, prazo e escopo para fazer, pois aberto e inteiramente dependente do empreendedor. Por este exato motivo as pessoas acabam no focando no plano e apenas nas questes operacionais do dia a dia e execuo. Normalmente, as empresas se planejam durante um ano e, claro que ajustes so necessrios ao longo da operao, pois isso o planejamento dinmico e no esttico. Em resumo: um bom plano comea com grandes perguntas e, a partir delas, cria-se uma teia de aes, alm de indicar diversos cenrios.

2. O que empreendedor deve levar em considerao na hora de fazer um bom planejamento?

Todo e qualquer planejamento deve focar nas principais perguntas que afetam o negcio. Elas, normalmente, so difceis de responder j que so amplas e dependem de muitas variveis. Como aumentar meu faturamento? e Como abaixar meu custo? devem nortear o plano. Para ajudar a definir estas questes existe um modelo muito usual chamado de 3Cs, que foi desenhado pelo famoso terico organizacional japons Kenichi Ohmae, professor dos programas de MBA em Stanford e UCLA.

O mtodo foca em trs grandes grupos: clientes, ajuda a definir as principais necessidades de pblicos-alvo, competidores: explora as vantagens competitivas da proposta de valor e corporation: (empresa), detecta habilidades efetivas da corporao para criar valor, se diferenciar da concorrncia e atender de forma efetiva a clientela.

3. Qual a importncia de se ter uma reserva financeira, capital, alm do j previsto para a abertura da empresa?

O plano financeiro fundamental e, normalmente, esboado em um oramento anual, com metas bem realistas de gastos, principalmente naqueles que so chaves ao seu negcio. O processo de abertura de empresa algo que, implicitamente, tem um grande risco e pode afetar o fluxo de caixa inicial, impactando o desenvolvimento futuro. Um dos fatores de fracasso das empresas nos primeiros cinco anos, segundo apurado pelo Sebrae, a falta de capital e lucro, bem como a ausncia de um planejamento. No toa que a taxa de mortalidade inicial muito alta. Em 2013, a porcentagem de empresas que fecharam as portas, com at seis meses de abertura, foi de 82%.

4. Quais so os pontos de risco na abertura da empresa?

Os mais comuns so clientes que ainda no esto acostumados com a marca, produto ou servio, o tempo de acerto do modelo do negcio, questes que envolvem a organizao da matria-prima, ponto de venda e os custos inicias que podem ter sido estimados de forma errada ou otimistas demais. O empreendedor sempre ter contratempos e pontos crticos no previstos durante o incio do empreendimento. E acreditem, o fluxo inicial de qualquer negcio muito pesado.

5. Como reduzir os riscos?

muito importante prever uma gordura, ou seja, capital para garantir o fluxo de caixa ms a ms. Especialistas apontam que necessrio ter uma garantia de 6 a 12 meses, ou seja, um saldo suficiente na conta bancria para segurar esse perodo que, no incio, sempre mais delicado e arriscado.

6. Quais as opes hoje no mercado que o microempreendedor tem para dar uma guinada nos negcios?

O empreendedor precisa estar antenado para as novas tendncias de mercado e s mudanas nas plataformas tradicionais. Ele deve aproveitar as lies de mercado de forma rpida e adapt-las ao seu negcio. Um caso muito prtico: durante a crise h muita substituio de produtos e servios por mais algo mais em conta. Pegamos como exemplo o seguro de carro: os tradicionais podem custar muito caro em relao ao valor do bem segurado. Por outro lado, as assistncias, apesar de no serem seguros, se tornam muito procuradas na crise, pois o custo menor que um seguro tradicional e proporcionam itens como guincho gratuito, convnio com oficinas, aluguel de carro em caso de problema ou pane e outros servios. Em muitos casos h uma substituio efetiva dos seguros tradicionais, mais caros, pela assistncia, mais barata.

7. O ano de 2017 ser bom para empreender?

A crise normalmente cria oportunidades magnficas aos empreendedores, pois novos modelos de negcio so criados, produtos alternativos so levados ao mercado e plataformas tradicionais so desafiadas. O ditado popular diz que: enquanto existem pessoas que choram, h outras vendendo o leno para enxugar as lgrimas. Todo e qualquer empreendedor precisa, incialmente, ter esta filosofia e aplicar o planejamento + ao para transformar em realidade o seu desejo.

8. Por que o crdito produtivo uma opo segura para quem est comeando a empreender?

O crdito um aliado ao negcio desde que bem usado. Por exemplo: h grandes descontos na compra de produtos ou servios vista, porm, muitas vezes, nos deparamos com a impossibilidade de usar o dinheiro da empresa para esse fim. O crdito pode reduzir imediatamente o custo da empresa e, ao mesmo tempo, beneficiar o fluxo de caixa j que pode ser parcelado em diversos meses. Muito comum tambm a necessidade de usar o fluxo por conta de um imprevisto. Dependendo do custo, o crdito tambm pode ajudar a empresa. Uma instituio financeira qualificada pode antecipar este fluxo e impactar de forma positiva a produo. As SCMEEPPs Sociedades de Crdito ao Microempreendedor e Empresa de Pequeno Porte so uma opo interessante, pois esto reguladas pelo Banco Central do Brasil, como uma forma de fomentar o empreendedorismo no Brasil.

A ABSCM

uma Associao Brasileira das Sociedades de Microcrdito uma associao civil sem fins lucrativos, criada no ano 2000, com o objetivo de fomentar o empreendedorismo no Pas, facilitar as condies operacionais e fortalecer institucionalmente as SCMEEPPs. Atualmente conta com 27 instituies credenciadas e est presente em 12 Estados brasileiros. A ABSCM desempenha papel importante como interlocutora entre as associadas e os pblicos de interesse, visando a mudana e a modernizao do marco legal e regulatrio em favor do crescimento e consolidao do setor.

ABSCM - Av. Rio Branco, 123 sala 1603 - Centro - Rio de Janeiro RJ - CEP: 20040-005 - Tel. +55 21 3852 4797 - abscm@abscm.com.br - Skype: abscm.rj

ABSCM